Pancreatite alcoólica - causas, forma crônica e aguda da doença, diagnóstico, tratamento e prognóstico

Se o pâncreas sofre devido a intoxicação aguda por álcool, essa doença com processo inflamatório agudo é chamada pancreatite alcoólica. O tratamento conservador deve ser oportuno, caso contrário, o paciente poderá morrer em breve. Como resultado do consumo excessivo de álcool, a produção habitual de enzimas pelo sistema digestivo é interrompida, o pâncreas fica inflamado. A pancreatite alcoólica crônica não é tratada, por isso é aconselhável diagnosticar a doença na fase aguda.

O que é pancreatite por álcool?

Se, após exposição prolongada ao etanol, ocorrer inflamação do pâncreas, entre possíveis complicações, os médicos não excluem a cirrose alcoólica do fígado e a morte de um paciente clínico. Uma doença característica é acompanhada por uma longa história, e sintomas desagradáveis ​​aumentam gradualmente, tornam-se mais intensos e reduzem a qualidade de vida. Esse tipo de pancreatite geralmente progride em um contexto de alcoolismo crônico ou abuso sistemático de alimentos gordurosos e fritos.

Sintomas

As exacerbações da pancreatite crônica começam com um ataque agudo de dor no sistema digestivo. A síndrome da dor é inerente ao herpes zoster, contrações paroxísticas, que na ausência de tratamento medicamentoso apenas aumentam. Há uma produção diminuída de enzimas pancreáticas por distúrbios digestivos sistemáticos, representados por diarréia, sinais de dispepsia, sinais de náusea e vômito. Outros sintomas desta doença são apresentados abaixo:

  • fezes heterogêneas;
  • pedaços de comida não digerida nas fezes;
  • engasgos sem o alívio tão esperado;
  • o número de viagens ao banheiro - até 6 vezes por dia;
  • perda de peso acentuada;
  • completa falta de apetite;
  • abaixando a pressão sanguínea;
  • alta temperatura corporal;
  • instabilidade do sistema nervoso;
  • fraqueza muscular.

Razões

Para garantir a restauração do pâncreas após o álcool, o primeiro passo é determinar a etiologia do processo patológico, eliminar completamente o fator patogênico do corpo. A frequência dos ataques depende completamente da dose de álcool e da duração do consumo de álcool. Substitutos do álcool, como toxinas fortes, são os principais culpados pelo desenvolvimento da pancreatite alcoólica.

Pacientes adultos que abusam regularmente de álcool, têm excesso de peso, são fumantes pesados ​​e têm um estilo de vida passivo (sofá). Em parte, o quadro clínico específico depende do tipo de bebida alcoólica, por exemplo, a “vodka chamuscada” acelera apenas o processo anormal de danos no fígado e a necrose se desenvolve.

Curso da doença

Sob a influência de fatores prejudiciais, uma vez que os tecidos saudáveis ​​são destruídos, as enzimas da glândula são ativadas e suas próprias células são destruídas. Como resultado desse processo patológico, o pâncreas aumenta e aumenta de tamanho, exercendo maior pressão sobre os órgãos vizinhos. Com o tempo, a glândula inflamada se estende, o paciente é confrontado com um ataque agudo de dor. Neste momento, extensos focos de necrose se espalham pelo corpo, o que prejudica o funcionamento desse órgão vital.

Classificação da pancreatite alcoólica

Uma patologia característica é caracterizada por uma forma aguda e crônica, na qual uma se desenvolve gradualmente na outra, enquanto no último caso não está mais sujeita a uma recuperação final. Uma breve descrição do processo patológico é apresentada abaixo:

  1. Na pancreatite aguda, vários fatores patogênicos agem de uma só vez, por exemplo, quando um paciente come alimentos gordurosos, bebe álcool diariamente e fuma constantemente. Pancreatite alcoólica é frequentemente característica de homens jovens, é difícil tratamento conservador.
  2. A forma crônica de pancreatite pode ser iniciada, se desenvolve como uma doença independente. Os primeiros sintomas aparecem após alguns anos de consumo sistemático de bebidas alcoólicas, a doença é acompanhada por inflamação e dor moderada na cintura por várias durações. O tratamento eficaz é realizado com uma exacerbação do processo inflamatório.

Possíveis complicações

A pancreatite causada pelo álcool contribui para a decomposição do fígado e da disfunção das enzimas digestivas. A intoxicação progressiva pode levar à incapacidade imediata e à morte, condenando o paciente a um forte tormento. No contexto de exposição prolongada ao etanol, hepatite viral, cirrose hepática, focos extensos de necrose do tecido pancreático, fístulas e cistos não são excluídos. Diabetes e adenocarcinoma se desenvolvem.

Diagnóstico de pancreatite alcoólica

É difícil determinar a pancreatite da forma alcoólica no organismo, uma vez que os sintomas são semelhantes a outras doenças do sistema digestivo. Portanto, além de coletar dados do histórico médico, é necessário um diagnóstico diferencial, que inclui esses estudos laboratoriais e clínicos:

  • análise geral e bioquímica do sangue;
  • exames de urina de laboratório para detectar níveis de diástase;
  • Ultrassom dos órgãos peritoneais;
  • TC e RM;
  • punção diagnóstica por razões médicas.

Tratamento de inflamação pancreática

Com a intoxicação por álcool, fumar e outros maus hábitos são completamente descartados. É crucial aliviar e aliviar a inflamação de um pâncreas irritado. Como a pancreatite alcoólica está repleta de diabetes, os médicos estão tomando medidas de ressuscitação para prolongar o período de remissão. Aqui estão recomendações valiosas neste quadro clínico:

  • para manter e fortalecer a função hepática, é estritamente proibido ao paciente consumir alimentos pesados ​​na dieta durante o período de tratamento e remissão - gorduras, carnes defumadas, conservantes;
  • como as funções de todo o organismo enfraquecem com a pancreatite, é necessário consultar consultas de especialistas restritos, como gastroenterologista, cirurgião, endoscopista, endocrinologista, radiologista, psicoterapeuta e narcologista.
  • como as bebidas alcoólicas aumentam patologicamente a concentração de açúcar no sangue, o paciente precisa de monitoramento sistemático desse indicador, ingestão oral de vitaminas lipossolúveis, oligoelementos.
  • no estágio de recaída, é necessário tomar uma posição horizontal, tomar alguns comprimidos de No-shpa e aplicar frio no estômago. Recomenda-se temporariamente morrer de fome, não sobrecarregue o pâncreas inflamado.
  • o procedimento cirúrgico é indicado em quadros clínicos complicados, abrindo e retirando um cisto, eliminando assim o risco de complicações perigosas.

Dieta terapêutica

Com pancreatite alcoólica, é necessária correção da dieta diária. Produtos de confeitaria, doces, açúcar, leite, alimentos salgados, condimentados e defumados são proibidos para o paciente. Esses ingredientes alimentares contribuem para o desenvolvimento do suco pancreático, um aumento no número de recaídas. Outros alimentos também são proibidos, incluindo:

  • salsichas;
  • conservantes;
  • primeiros caldos;
  • frutas azedas;
  • especiarias e sal;
  • refrigerante, cerveja, café.

No processo de ingestão de alimentos, recomenda-se uma ênfase especial nos seguintes ingredientes alimentares úteis para a pancreatite alcoólica:

  • sopas com baixo teor de gordura;
  • carnes magras;
  • mingau magro;
  • variedades de peixe sem gordura;
  • maçãs assadas;
  • chás de ervas, decocções;
  • legumes cozidos.

Prognóstico da doença

O desfecho clínico é desfavorável, pois a vida útil do paciente é reduzida e um desfecho fatal repentino não é descartado. A pancreatite é uma doença crônica e, na ausência de tratamento oportuno, o número de ataques dolorosos apenas aumenta. A necessidade de hospitalização imediata com reanimação não é excluída. A doença indicada em quadros clínicos complicados resulta em necrose pancreática com mais morte do corpo.

Vida útil

Pacientes com ducto pancreático comprometido podem, durante muito tempo, nem perceber a existência de uma doença mortal no corpo. O processo patológico progride espontaneamente, quando já existe uma forma crônica de pancreatite. Após o primeiro ataque, a expectativa de vida é reduzida e, com um número crescente de ataques, o paciente não vive de 2 a 3 anos. Se você for tratado e aderir ao estágio de remissão, poderá viver 10 anos, mas sujeito a uma completa rejeição de maus hábitos.

Prevenção

A principal medida preventiva é uma recusa completa em beber bebidas alcoólicas. O paciente terá que aderir à "lei seca" até o final de sua vida, limitar a ingestão de substâncias tóxicas e venenosas (por exemplo, com cigarros). A profilaxia eficaz da pancreatite da forma alcoólica consiste em nutrição adequada, dieta médica. Ênfase especial é recomendada nos seguintes pontos:

  • enriquecer a dieta diária com um conteúdo proteico suficiente;
  • ser examinado anualmente por um gastroenterologista.
Atenção! As informações apresentadas no artigo são apenas para orientação. Os materiais do artigo não requerem tratamento independente. Somente um médico qualificado pode fazer um diagnóstico e fazer recomendações de tratamento com base nas características individuais de um paciente em particular.